Connect with us

Notícias

Menino é abusado sexualmente por colegas em banheiro de igreja evangélica

Publicado

em

A mãe de um menino de apenas oito anos procurou a polícia nessa segunda-feira (7) para denunciar que seu filho foi vítima de abuso sexual dentro de uma igreja Assembleia de Deus no Bairro Centro América, em Cuiabá.

Conforme O relato da mãe, o menino havia ido à igreja com a avó materna. O garoto ficou em um ensaio com outras crianças e retornou mancando e com um comportamento estranho.

Ao voltar para casa, a mãe e a avó questionaram a criança sobre o que tinha acontecido e ela afirmou que dois meninos que estavam no ensaio o haviam segurado no banheiro, tirado a roupa dele e o estuprado, ordenando que ele não gritasse.

A vítima soube dizer o nome dos meninos que teriam praticado o abuso. Ambos têm aproximadamente 10 anos e são conhecidos da família.

A criança também relatou estar sentido dores devido à violência sofrida.

O caso foi registrado como estupro e será investigado pela Delegacia Especializada de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (Deddica) de Cuiabá.

Fonte: LIVRE

Continue Reading
Clique para Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias

Ao sepultar a filha, homem encontra bebê enterrado vivo

Publicado

em

Um casal indiano se preparava para a última despedida da filha, que nasceu morta, quando encontrou uma recém-nascida enterrada viva. Segundo policiais e médicos, o caso ocorreu na quinta-feira (10/10/2019) na cidade de Bareilly, região de Uttar Pradesh, ao Norte da Índia.

O homem, que é comerciante, cavava o túmulo para a filha natimorta, quando a pá que usava bateu em um vaso de cerâmica enterrado no local. Ele observou o objeto e se deparou com a criança, chamando ajuda imediatamente, de acordo com os policiais. Momentos antes, o pai ouviu um choro e chegou a pensar que fosse a filha dele que havia voltado à vida.

A criança foi levada a um hospital da região e seu estado de saúde é grave. Segundo os médicos, a criança, provavelmente prematura, pesa cerca de um quilo, estava desnutrida e apresentava infecção pulmonar. Um pediatra comentou que ela provavelmente conseguiu respirar por falhas no solo do local onde foi enterrada e sobreviveu consumindo a própria gordura corporal. A polícia investiga o caso.

“Fardo financeiro”
Infanticídios de meninas são comuns na Índia, principalmente nas camadas mais pobres da sociedade. Segundo a tradição do país, elas são vistas pelos pais como um “fardo financeiro”, por conta do dote que necessitam pagar à família dos noivos na hora de se casarem. Os homens, em contrapartida, são considerados um “investimento familiar”. No censo de 2011, a população indiana tinha 623 milhões de homens e 568 milhões de mulheres.

Um estudo de 2011, publicado pela revista científica The Lancet, relatou que nas últimas três décadas foram realizados 12 milhões de abortos de fetos femininos na Índia. O governo aprovou duras medidas para tentar reduzir o número de casos de abortos, infanticídios e abandono, como o que proíbe médicos de comunicarem aos pais o sexo do futuro bebê.

Fonte: Metropóles

Saiba Mais

Notícias

Previdência: comissão vota texto da reforma de militares nesta 4ª

Publicado

em

A votação do parecer do relator da reforma da Previdência dos Militares, o relator Vinícius Carvalho (PRB-SP), está prevista para ocorrer na tarde desta quarta-feira (16/10/2019), na Comissão Especial da Câmara. A sessão foi adiada depois de o parlamentar anunciar ajustes do texto: inclusão de policiais e bombeiros militares e novas regras de transição.

A inclusão de policiais e bombeiros militares na reforma das Forças Armadas deve render uma economia de R$ 59 bilhões em uma década para os estados, de acordo com o relator do projeto. Eles passarão a seguir regras mais duras para a inatividade, com transição para quem já está no serviço militar.

O cálculo, segundo o deputado, foi fornecido pela equipe econômica após as mudanças feitas no parecer. Para a União, a economia com a reforma dos militares das Forças Armadas é de R$ 97,3 bilhões em dez anos, enquanto, com a reestruturação das carreiras e o o reajuste salarial, haverá um gasto adicional de R$ 86,65 bilhões.

Os militares estaduais foram incluídos na proposta após uma negociação com a equipe econômica e com governadores. Em troca do endurecimento nas regras de inatividade, PMs e bombeiros terão redução em alíquotas de contribuição e terão assegurados benefícios integrais na hora da aposentadoria.

Os governos estaduais ficaram de fora da reforma da Previdência, que atingia os civis e também vinculava os PMs e bombeiros às regras das Forças Armadas, porque a Câmara dos Deputados resistiu em assumir o ônus político no lugar de governadores. Agora, os militares estaduais serão reincluídos diretamente no projeto de lei. Os PMs e bombeiros respondem por cerca de um terço do déficit previdenciário dos estados, que chegou a R$ 101 bilhões no ano passado.

O projeto de lei eleva de 30 anos para 35 anos o tempo de serviço necessário para a reserva no caso dos futuros militares. Quem já está na carreira paga só um “pedágio” de 17% sobre o tempo que falta hoje para chegar aos 30 anos. Na prática, um militar que está a cinco anos da aposentadoria precisaria trabalhar outros 10 meses adicionais a esse tempo.

Alguns estados, porém, permitem que militares podem ir para a inatividade com 25 anos de serviço. Nesses casos, a regra de transição será diferente. O tempo subirá 4 meses a cada ano, até chegar a 30 anos. Na prática, um militar nessa condição que tenha contribuído por 20 anos precisará prestar serviços por mais 6 anos e 4 meses (em vez dos 5 anos exigidos hoje).

Nos estados, a regra de 25 anos recai sobretudo para mulheres que integram as forças de PMs e bombeiros, mas também é aplicada a homens em alguns casos.

Na regra definitiva, que valerá para quem ingressar a aprovação da nova lei, o tempo mínimo será de 35 anos para homens e mulheres. Além disso, serão exigidos 30 anos de efetivo serviço militar.

O projeto também acaba com as promoções automáticas que ainda existem nos estados quando o militar vai para a reserva. Esse expediente foi extinto nas Forças Armadas e hoje acaba representando acréscimos de 20% a 25% nas remunerações dos PMs e bombeiros inativos.

Os governadores que preferirem terão 30 dias a partir da aprovação da lei para postergar por dois anos a entrada em vigor das novas exigências sobre tempo de serviço e promoção na carreira. Com isso, a transição valeria para quem ingressar até 31 de dezembro de 2021.

Em contrapartida, o projeto coloca em lei federal a garantia de aposentadoria com o último salário da carreira (integralidade) e reajustes iguais aos da ativa (paridade) para todos os militares estaduais. Hoje, esse é um critério definido caso a caso. Segundo apurou a reportagem, essa “concessão” feita pela área econômica vai retomar a integralidade para pensionistas de militares em estados como Goiás, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. O governo catarinense também havia acabado com integralidade para inativos e voltará com o benefício pelo projeto.

As alíquotas de contribuição dos militares estaduais ficarão menores. Muitos estados já cobram 14% dos servidores, mas a previsão é de uma cobrança de 9,5% dos militares a partir de 2020 e de 10,5% a partir de 2021. A área econômica, porém, avalia que não haverá prejuízo para as unidades federativas porque hoje os pensionistas que ganham abaixo do teto do INSS (R$ 5.839,45) são isentos e passarão a recolher como os demais. Isso vai elevar a base de cálculo, mais que compensando a perda de arrecadação com a redução da alíquota, segundo apurou a reportagem. As regras de alíquota não poderão ser postergadas pelos governadores.

Pelo relatório apresentado, as contribuições pagas pelos militares para bancar o pagamento das pensões deve aumentar num ritmo mais rápido que o proposto pelo governo. A cobrança que hoje é de 7,5% passará a 9,5% já no ano que vem, chegando a 10,5% em 2021.

Na proposta do governo, essa alíquota subiria um ponto porcentual por ano, chegando a 10,5% em 2022.

O relator ainda elevou a alíquota adicional que será paga pelas filhas de militares que recebem pensão vitalícia, para 3%. A proposta do governo previa adicional de 1,5%. Segundo ele, de 80% a 85% dos governadores apoiaram a proposta.

Fonte: Metropóles

Saiba Mais

Notícias

Mãe acusa grupo de forçar filho a injetar silicone na genitália

Publicado

em

Uma mulher acusa cinco ex-companheiros do filho de o terem forçado a injetar silicone no saco escrotal. Jack Chapman (foto em destaque) morreu no ano passado em decorrência das aplicações. A medida comprometeu o pulmão do rapaz. As informações são do jornal Extra.

Jack participava de um culto sexual em Seattle, nos Estados Unidos. A aplicação de silicone na genitália seria uma marca registrada do grupo, segundo informou a mãe da vítima.

Linda Chapman diz que o filho tinha posição submissa no grupo. Ela revela ainda que Jack recebia ordens de um “mestre”, identificado como Dylan Hafertepen. Por isso, o jovem teria decidido trocar o nome para Tank Hafertepen.

“Maior, maior, maior, mas nunca grande o suficiente. Que tipo de pessoa injeta [silicone] em suas bolas para agradar? Que tipo de pessoa faz isso?”, desabafou a mãe em entrevista ao Channel 10, da Austrália.

Dylan nega ter forçado Jack a aplicar silicone. Por sua vez, a mãe da vítima contesta a versão e diz que ficou sabendo que o filho havia sido hospitalizado apenas uma semana após a morte.

Fonte: Metropóles

Saiba Mais

BLOG DO DOMÍCIO FILHO | Todos os direitos Reservados.